0 items - R$0.00

Telefones: (17) 3014.3578 - (17) 99215.1742 claro

       0 items - R$0.00

Terapia Regressiva de Memórias Passadas – Caso 6

Dia 06/ 03/ 2.013
Mulher, 50 anos, viuva, estatura médiana, cor morena, empresária, mãe de três filhos. Durante a consulta alega ser muito ansiosa, estressada, dores por todo o corpo e ha 3 anos faz tratamento para depressão, mas que até o presente momento nada tem melhorado e que sua psicóloga já é considerada sua irmãzinha. Conta também sob  plantos de choro que aos 20 anos foi estuprada; o choro acentuava mais enquanto lebrava de seus pais que ignorava sua situação, alegando que deveria se casar uma vez em que ela havia se prostituido, o que não era verdade, pois sempre alertava sua mãe sobre as intenções maliciosa do tal sujeito em sua casa. Contra sua vontade casou-se com o tal rapaz que vivia ilicitamente ao tráfico e drogas o qual havia prometido que um dia ela seria dele, por bem ou por mal. Desse casamento teve três filhos, sendo dois dependentes quimicos.
Primeira seção.
Durante a regressão de memórias passadas, paciente ao acessar seu não consciente, revive seus 20 anos, momentos do estupro e chora desesperadamente. Diante disso fiz apenas sugestoes calmantes no sentido sintomatológico, uma vez que eu ainda não havia conduzido-a à causa do porque do estupro, digo; para toda ação ha uma causa.
Segunda seção.
Cliente chega e relata que sente melhora de uns 30% quanto ao estado de ansiedade. Esteve em sua psicóloga e lá chorou muito ao  relembrar seu passado, devido haver  defrontado com situações que não era de seu desejo.  Hoje sinto-me esgotada, com muita falta de resistência devido à situações de meus filhos; então daí fico ansiosa e começo a comer por nervosismo como forma de escape da situação. Também sinto-me muito triste porque não aceito a situação do estupro, isso me deixa muito ruim, devido aos meus princípios morais. Será que isso tem a ver com as repressões de meus pais? Sabe, a 10 anos convivo em namoro com uma pessoa, mas ele é casado, muito embora quando o conheci ele estava separado de sua esposa. Essa situação de eu me achar como sendo a outra, me chateia muito. Mais uma vez aqui, uma briga interna com eu mesma, por achar que essa convivência é imoral, já que ele é casado.
Diante da esplanação acima que a cliente acaba de relatar-me, induzi-a ao transe hipnótico e a conduzí a Regressão de vidas Passadas (vida é uma só, existências é que são várias) com a finalidade de encontrar a causa  causorium dessa tamanha infelicidade amorosa em toda essa existência presente: estupro, casamento forçado pelos pais, viuvez e namoro com alguém ja casado. Então, induzí-a com uma sugestão instantânea e a seguir à regressão de vidas passadas.
Terapeuta: T; Paciente: P.
T: Qual seu nome?
P: Débora, mas vêm também o nome de Líz.
T: Você quer dizer que Líz é seu nome de profissão?
P: Sim.
T: Quantos anos você têm?
P: 20 anos,
T: Como você se vê?
P: Linda moça, com cabelos louros, uma piteira na boca e cortejando muitos homens e um deles tem uma matilha. O lugar é muito lindo, chique, com muito brilho.
T: É dessa forma que essa moça ganha a vida?
P: Sim.
T: Consegue identificar dentre esses homens que você corteja,  alguém que seja familiar ou que possivelmente seja aquele que ha estuprou nessa existência aos seus vinte anos, idade a qual você vive agora aí nesse momento?
P: Franze a testa, chora com muitas lágrimas escorrendo pelos cantos dos olhos, faz uma pausa e “engole o nó” na garganta. Fica pasma, meus Deus!
T: Conta-me o que houve, assim posso ajudá-la; fique tranquila, você está deitada na poltrona em meu consultório, você apenas está acessando um passado e nada mais.
P: Decepei o pênis dele!!!
T: Nesse momento o sembrante da paciente foi de muita tristeza pela barbárie que cometeu, por mais que houvesse motivos. Pergunto: será que o estupro que você sofreu nessa existência presente por esse homem  corresponderia ao menos 1% com relação à mutilação que você ocasionou nele no passado? Agora você entende do porque de suas infelicidades conjugais.  Eu diria a você que a partir de agora, ao invés de sentir-se triste e magoada, pensativa ao estupro; você deve é trabalhar com a Lei do Perdão. Executei a terapia de ressignificação e complementei dizendo que apartir de agora em diante, o caso do estupro não terá mais sentido de tanta preocupação e será então uma nova mulher e muito mais feliz.

Dia 11/ 03/ 2.013
Terceira seção

P: Hoje estou sentindo gratidão a Deus! Hoje consigo perdoar, porque vendo meu passado, entendí, compreendi tudo e por isso me libertei dos sentimentos que tinha. A dor da ombralgia também melhorou muito; interessante como a angústia ou a depressão produzia tantas dores pelo meu corpo.
T: Induzindo ao transe: 3, 2, 1 – Durma, relaxe profundamente! Agora conto de 10 a 1, enquanto você imagina como se fosse um sonho que você está descendo dez degraus de uma escada e quanto mais desce, mais profundo fica seu sono, seu relaxamento e quando eu chegar ao número 01, você estará lá no tempo em que era Líz.
– Em que ano você está?
P: 1830.
T: Qual seu trabalho, o que faz?
P: Sou dançarina e tenho que cortejar os clientes.
T: Qual a razão de você ter mutilado o órgão genital do homem, dono da matilha?
P: Eu gostava muito dele, era terrivelmente apaixonada por ele, mas ele me traiu com outra mulher, então fiquei com muita raiva e vinguei-me dele. Eu queria muito deixar o emprego e ir pra bem longe com ele, somente com ele, mas ele não aceitou, foi a solução do momento, castrando-o.

Categories: Regresssão de Memória

Comments are closed.

Copyright ©2018 - EMIVANIS - Todos os direitos reservados

INSTITUTO DA VIDA - Rua Maximiano Mendes, 354 - Santa Cruz - São José do Rio Preto - São Paulo